Arquivo da tag: natureza

Discovery Cove- Uma pausa revigorante

Guardei para o último posto sobre Orlando, o que para mim foi o melhor momento da viagem . Desde criancinha eu tinha o sonho de ter um golfinho. Queria o meu Flipper, para nadar, brincar e viver mil aventuras. Como não sou bióloga marinha nem treinadora de mamíferos marinhos, tive de esperar pela realização deste sonho durante anos. Por isso, desta vez decidi que iria fazer a interação com golfinhos do Discovery Cove mesmo estando em Orlando no inverno.  Foi sensacional!

O maior receio era de estar muito frio ou chovendo no dia marcado. Por isso, lá vai a primeira dica. O parque te dá a chance de remarcar o passeio por questões climáticas, por isso marque sua ida em uma dia no meio da viagem para que você tenha outra opção de data caso chova muito.

Compramos os ingressos que dão direito a outros parques do Grupo ( Sea World, Aquatica e Bush Gardens). Tinha planejado chegar cedo no parque, fazer a interação com os golfinhos, almoçar e partir para o Sea World ou Aquatica para aproveitar o resto do dia.  Não foi o que aconteceu! O parque é tão maravilhoso e relaxante, que passamos o dia inteiro nele e saímos no último minuto.

O sistema é all-inclusive. Pelo preço do ingresso, você terá direito a café da manhã, almoço, lanches e bebidas o dia inteiro ( inclusive alcoólicas), aluguel de roupa de mergulho, snorkel, armários para guardar pertences, etc. Você só vai gastar dinheiro com lembrancinhas , fotos e vídeo do momento que estiver com os golfinhos. Chegue cedo, não só para aproveitar as delícias do parque como também para marcar sua interação com os golfinhos no horário que for mais conveniente.

Ao chegar, os convidados fazem um check-in como se estivessem chegando a um hotel, onde você ganhará credenciais com foto, mapa do parque e instruções gerais sobre sua estadia. Tivemos muita sorte. O dia de inverno estava ensolarado e com temperatura super agradável, mesmo assim todos usamos roupas de neoprene para garantir mais conforto durante os mergulhos.

A organização do parque é impecável, após toamr o seu café da manhã em um Buffet, você é direcionado  para os vestiários, onde são emprestadas toalhas, roupas de mergulho, mascaras e snorkel. Tudo sem estresse, sem filas. O parque tem um número limitado de visitantes por dia para garantir este conforto. Pessoas com necessidades especiais são bem vindas, pois eles oferecem cadeiras de rodas especiais para praia. É preciso apenas avisar no momento da reserva.

Seguimos para a Stingray Lagoon  e o Tropical Reef(lagoa das arraias e barreira de Corais tropicais ) para um mergulho de snorkel. A lagoa é repleta ( repleta !!!!) de peixes tropicais e arraias de varias espécies. Incrível. Mesmo aqueles que estão acostumados com o mergulho ficam fascinados com a diversidade e quantidade de peixes. As arraias são um capítulo a parte, pois são de todos tamanhos e super dóceis. Não há como resistir a um carinho. Todas com o ferrão retirado para não haver problemas. As crianças de todas as idades podem participar. Não há perigo algum. Acredite! Se jogue na água sem medo!

Não se surpreenda se ao final desta lagoa você der de cara com um tubarão ou uma barracuda. Eles estão em outro tanque, separados por um grosso vidro, mas a sensação é que eles estão nadando bem ao seu lado.

Enfim, para os que amam vida marinha, esta é uma oportunidade de estar ao lado de muitos peixes e arraias sem esforço algum. Uma aula de biologia marinha para toda família. Esqueci de falar que no local onde as roupas de mergulho são entregues, eles também emprestam filtro solar e tábuas de peixes. Um pequeno cartaz impermeável que você pode levar para o mergulho para identificar as espécies que encontrar. Relax total! Repetimos o mergulho algumas vezes, entre uma descansada na praia, um drink ou um sorvete.

Você acha que já entendeu por que passamos o dia inteiro por lá? Calma! Ainda tem mais. O parque conta ainda com um rio de água doce levemente aquecida que leva o visitante ao um passeio por dentro de um viveiro tropical de aves. No caminho, cachoeiras, cavernas, lagoas e uma leve correnteza, que te levará pelo leito do rio sem esforço. Aqui é fácil aplicar a máxima das crianças e repetir o passeio de novo..de novo…de novo. Perdi a conta.

Entre um mergulho e outro, chegou a hora da atração mais esperada: a interação com os golfinhos. Somos levados para um quiosque, onde uma treinadora/bióloga passa instruções gerias e informações sobre os mamíferos. Somos então levados em grupo de 7 pessoas para a lagoa, onde acontecerá o grande encontro. Saiba que somente crianças a partir de 8 anos podem participar da interação. Um fotógrafo e um câmera registram tudo. Você terá de pagar a parte por este registro, mas ao final você levará uma bela lembrança com fotos também tiradas por outros profissionais que ficam espalhados pelo parque.

Só de estar em pé nesta lagoa onde os golfinhos estão já nadando já me emociona. Queria tanto este momento que entrei em uma espécie de frenesi. Confesso! Mas, foi tudo que eu imaginava. A interação dura uns 40 min. Recebemos explicações sobre os animais, hábitos alimentares, anatomia, etc. temos a oportunidade de acariciarmos seu dorso, calda, damos beijinho  e participarmos de um show particular, onde eles fazem acrobacias respondendo aos nosso comando que acabamos de aprender. As crianças adoram. O ponto alto é quando somos convidados para nadar com um golfinho. Acredito que este nado durou uns poucos 30s. Fica um gostinho de quero mais. Neste momento queria ficar indo de lá para cá ininterruptamente. Por que não foi possível?? Afinal eu , e toda a torcida do Flamengo, queremos a mesma coisa. Enfim, parece pouco, mas para mim foi mágico.

Foi um dia magnífico! Funcionou como um  pausa refrescante e relax para a correria dos outros parques. O Discovery Cove é um verdadeiro Oasis, e proporciona para toda a família um dia perfeito, daqueles que você lembrará para o resto da vida. Para mim, este foi o grande momento da viagem.

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Dicas de Viagem, Dicas gerais, EUA, orlando

Um Giro por Natal/ Litoral Sul

O segundo dia que ficamos em Natal, partimos em direção ao litoral sul. Este passeio também é bastante interessante. Vou fazer uma descrição do passeio inteiro, embora algumas das coisas que fazem parte deste trajeto eu fiz na outra vez em que estive em Natal. Este roteiro é oferecido por várias operadoras de turismo locais. Eu, como gosto de ter liberdade de horários e tempo de permanencia em cada local, nas duas vezes que estive lá fechei um preço fixo com um motorista de taxi, que ficou à nossa disposição por todo dia. Fica mais caro, mas além da liberdade, você não tem que se preocupar com o caminho nem com lugar para estacionar. Alugar um carro é uma opção para aqueles que vão ficar mais tempo na cidade.

O passeio começa com uma parada para fotos na Barreira do Inferno, o primeiro Centro Aeroespacial do Brasil. Os meninos e papais ficam mais impressionados. Mesmo assim, a parada é rápida, apenas para tirar algumas fotos, pois o local não é aberto para visitantes.

Depois seguimos para Pirangi, onde fica o maior cajueiro do mundo. A árvore é mesmo impressionante, pois ocupa vários quarteirões do bairro. Para se ter uma ideia, a copa da árvore tem mais de

8.500 m2. É possível visitá-la passeando entre os galhos, onde alguns guias voluntários oferecem explicações sobre o fenômeno que fez o cajueiro crescer desta forma e não parar (a arvore está em expansão constante). Os guias contam que na época que os frutos nascem, são retiradas toneladas de caju, que são distribuídas pela população local. O local tem um mirante, do qual é possível se ter uma visão aérea da árvore.  Parece um grande tapete verde, esperemido entre ruelas e pequenas casas. No entorno do cajueiro, dezenas de lojas de artesanato e produtos derivados do caju garantem que você não voltará para casa sem uma lembrancinha.

A próxima parada do roteiro é a lagoa de Ariatuba, que tem uma boa infraestrutura de bares e restaurantes e também de diversão.  Quando estivemos lá em 2004, havia um Zorb ( grande bola inflável de plástico, onde cabe uma pessoa adulta na parte interna), que era possível ser alugado para rolar por uma pequena rampa de areia até a lagoa. O meu marido experimentou a brincadeira e adorou! Hoje, o local ainda mantém uma tirolesa “aerobunda”, além de aluguel de pedalinhos e caiaques. O banho de lagoa é ótimo para crianças. A temperatura da água doce é agradável e as lagoas são rasas. Os menores, então,  se esbaldam.

O passeio de ônibus de excursão que percorrem o litoral sul oferecem ainda um passeio de barco da Marina Badauê para visitar as  piscinas naturais de Pirangi, uma formação de corais e arrecifes que forma aquarios naturais na maré baixa. Eu não fiz este passeio, mas é possível contratá-lo mesmo que você não esteja em uma excursão.  A duração média do passeio de barco é 2 horas e percorre quatro praias, com parada para banho e mergulho de snorkel nas piscinas.

Na volta, peça ao motorista para parar no  Mirante dos Golfinhos, em Tabatinga. Se você tiver sorte, você poderá avistá-los em cardumes, quando eles se aproximam do litoral para pescar tainhas.

Geralmente este tipo de passeio deixa as crianças exaustas. Você vai ficar tentado a ficar no hotel para jantar. Mas, se possível faça um esforço e saia para jantar pelo menos dois dias para conhecer os dois restaurantes que vou sugerir: Camarões e Tábua de Carne. O primeiro tem o nome auto explicativo. Imgine uma forma que você gostaria de comer o seu camarão, que com certeza este prato estará no menu. O segundo oferece uma cozinha regional deliciosa, com pratos de frutos do mar, carnes e uma mesa de doces para arrematar, que deixa qualquer um com água na boca. A comilança é grande, mas vale muito a pena. Prefira ir no restaurante  da via costeira ou no bairro da Ponta Negra. O ambiente é agradável e cheio de espaço. Ambos tem playground para crianças com brinquedos de madeira.

Deixe um comentário

Arquivado em Dicas de Viagem, Nordeste, Praia, Resort

A aventura de Max pela Asia

Fiquei fascinada com a aventura de um casal de amigos alemães que viajaram por 4 meses com o filho de 5 anos pela Ásia. Eles moram em Düsseldorf, Alemanha. Ano passado ficamos hospedados na casa deles durante nossas férias. Eles tinham voltado há pouco tempo da viagem, e  ficamos encantados com as fotos e histórias que eles compartilharam conosco. Por isso, resolvi fazer uma entrevista virtual com a Sabine para ela contar um pouco da sua experiência.

Como surgiu a idéia de fazer a viagem para a Asia com a família?

Nós estávamos pensando o que poderíamos fazer com nosso filho, Max, antes que ele começasse o primeiro ano na escola. Como gostamos muito de viajar, resolvemos transformar um sonho em realidade: tiramos uma licença de 4 meses no trabalho e fomos para o continente asiático, sobre o qual muitos amigos falaram tantas coisas boas sobre suas experiências de viagens.

Por quais países vocês viajaram?

Começamos no Vietnã depois passamos pelo Camboja, Laos, Tailândia, Myanmar, Malásia, Cingapura e Tibet. Na China estivemos em Pequim, Xangai, Hong Kong, além de termos visitado o Exército de Terracota em Xian. Ainda na China, estivemos em  Guilin, que tem a paisagem clássica chinês, que vemos em quadros de restaurantes típicos: um rio emoldurado por lindas formações rochosas.

Como foi a preparação para a viagem. Você tomou algum cuidado  especial  por estar fazendo esta viagem com uma criança pequena? O que você levou na mala  especialmente nesta viagem?

Estivemos no Instituto dos Trópicos em Düsseldorf para buscar orientações sobre vacinas e levamos um kit de primeiros socorros. Além disso, não tomamos nenhum cuidado especial, até por que nosso filho tomou as mesmas vacinas que nós.

Como foi que você obteve informações úteis para a viagem? Alguma dica de sites na web que foram importantes na busca?

Nos lemos muitos livros e guias de viagens, mas as informações sobre Hotéis e dicas de viagem nós pegamos na Internet. Na Asia praticamente todos os Hotéis possuem websites , onde você pode fazer reservas on-line. Geralmente fazíamos as reservas apenas duas semanas antes de chegamos às cidades, o que sempre funcionou muito bem!

Como foi a experiência de viajar tanto tempo e em países de culturas tão diferentes da sua com seu filho?

As pessoas na Asia são especialmente amigáveis e simpáticas com crianças e não houve problemas nesse aspecto. Sempre tentamos ficar em hotéis com piscina, para que meu filho pudesse brincar. De uma forma geral o programa nos locais era sempre semelhante: acordar cedo, visita aos templos, parques, pontos turísticos, mergulhar ou fazer snorkeling nos locais de praias e por volta das 9 todos já estávamos exaustos e caíamos na cama. Ficamos o tempo todo juntos, o que foi uma ótima experiência, pois nos uniu bastante e formou um espírito de equipe na família. Só nas últimas semanas, o nosso filho começou a reclamar da falta que sentia dos amigos. Normal!!

O que você acha que ele adquiriu ( aprendeu)  nesta viagem? Ele voltou diferente?

Ele ficou mais confiante e aprendeu muito na viagem. Quando olhamos as fotos, ele sempre tem uma história ara contar. Ele viu como as pessoas de outros países são diferentes e tem uma percepção diferente do mundo e da vida. Com certeza, o que mais impressionou ele foram os monges budistas.

Qual  foi , ou foram,  os lugares mais interessantes da viagem? Onde é que o seu filho aproveitou mais e porque?

Ficamos maravilhados com Lhasa e o Palácio Potal e Ankor What no Camboja. A cidade de Hanói é maravilhosamente caótica em contraste com Cingapura , absolutamente rica e limpa. Fizemos uma visita à selva na Malásia e  meu filho ficou impressionado com um passeio que fizemos na Tailândia onde criam-se elefantes para o trabalho e você pode montar neles. Ficamos lá por três dias. De manhã alimentávamos os animais e depois levávamos para o banho em um lago, para levarmos os elefantes até lá, montávamos neles.

E o que ele menos gostou?

Ele se incomodava um pouco por que as pessoas queriam sempre acariciar e passar a mão no cabelo dele (loiríssimo!) e as mulheres queriam tirar fotos com ele.

O que te surpreendeu positivamente?

A autenticidade e simpatia das pessoas. Não tivemos problemas durante a viagem. Nunca fomos roubados, por exemplo. Uma vez esqueci minha câmera fotográfica em um museu, voltei lá e me devolveram normalmente. Achamos tudo muito bem organizado.

 Quais lugares você gostaria de visitar novamente?

Visitaríamos todos os lugares novamente, não houve nenhum lugar que nós falássemos: nunca mais!

Se você tivesse de indicar um roteiro para pais que tem menos tempo para viajar ( geralmente 1 mês de férias), quais lugares você indicaria.

O Vietnam e o Camboja são ótimos lugares para se começar, não são tão turísticos como a Tailândia, mas igualmente interessantes.  Myanmar , por sua vez, é excitante! O Laos é ótimo para os amantes da natureza, pois tem uma floresta tropical bem preservada.

Que dicas gerais você daria para os pais que quiserem realizar uma viagem parecida?

Ler bastante para elaborar um plano geral da viagem, mas é bom deixar algumas brechas para ficar mais dias em um local que foi mais encantador ou visitar cidades que não estavam previstas, mas que você acabou descobrindo só quando estava lá. Esta é a vantagem quando se tem um tempo mais longo de viagem, você pode se dar o luxo de ficar mais tempo nos seus locais preferidos.

2 Comentários

Arquivado em Asia, Dicas de Viagem, Dicas gerais